Never leave it in the hands of the judges

Como a grande maioria dos pre-adolescentes bobos nos anos 90 eu adorava assistir filmes de luta como “O grande dragão branco”, “Leão branco”, “Kickboxer”, você já entendeu a tendência…Todos os filmes do Van Damme, basicamente.

Porém, toda a graça acabou como um passe de mágica quando um colega e eu alugamos 3 fitas de video com os primeiros “The ultimate fighting championship” (UFC), era como se um sonho tivesse virado realidade já que era possível ver lutadores de diferentes estilos em combates totalmente livres de regras, era como “O grande dragão branco” com muito menos carisma.

Vinte e poucos anos se passaram desde aquele momento de descoberta e aquilo que era considerado uma barbárie ganhou regras, se profissionalizou e hoje é um dos esportes que mais cresce no mundo conseguindo chegar a um tamanho inimaginável pelos fans do esporte, sendo recentemente vendido por $4 bilhões de dólares.

Provavelmente assisti 90% de todos os eventos oficiais (os numerados), alguns UFC fight nights e até alguns “The ultimate fighters”, então é bem provável que eu tenha assistido alguns milhares de combates, porém em uma recente conversa com amigos, declarei que não tenho mais o interesse que tinha antes pelo esporte, exceto por algumas poucas lutas principais, o problema é que não consegui explicar o porque disso.

Os fãs citam diversos fatores, entre eles o principal sendo o excesso de exposição, já que é possível ver eventos praticamente todas as semanas, então não é mais um bem tão escasso como era antigamente, porém eu desconfio que não é só isso, minha opinião é que os eventos estão mais chatos* na média, que muitos lutadores lutam para não perder ao invés de ganhar e que a grande maioria de técnicas já está arbitrada, portanto é mais difícil surpreender o oponente e principalmente a audiência com uma técnica nova, como a revolução que o jiu-jitsu Brasileiro fez no esporte.

Primeiramente tenho que definir o que é um ‘evento chato’. Nocautes e Submissões são legais, são surpreendentes e inesperados, não existe uma forma melhor de definir o triunfo de um lutador sobre o outro. Em contraste, lutas que terminam por pontos são menos interessantes, pois elas terminam (na grande maioria dos casos) sem um vencedor claro e esse término é artificial, forçado e, pior ainda, são 15 ou 25 minutos em que nada aconteceu. Portanto, um evento como um todo pode ser definido como chato ou interessante baseado no número de KOs/Submissões sobre o número total de lutas.

Dada esta definição, vamos olhar para o comportamento dos eventos ao longo do tempo. No gráfico abaixo calculo a razão entre KO+Sub sobre o número total de lutas. Os eventos vão desde o primeiro UFC em 1993 até o Fight Night 83 em 2016-02-21, para um total de 3.569 lutas (os dados podem ser encontrados nesse link)

ko_sub

Nos primeiros eventos, até o final dos anos 90, as regras eram poucas (bem poucas) e as lutas não eram divididas em rounds, o que obviamente infla o número de finalizações de lutas, mas mesmo com uma grande variância entre os eventos, na média o número de finalizações caiu de 3 em cada 4 para pouco mais que 1 a cada 2 lutas.

Uma das explicações para esse número em declínio pode ser que o Jiu Jitsu foi assimilado pelos lutadores e atualmente finalizações por submissão são bem mais raras do que antigamente. Olhando para o gráfico abaixo é difícil tomar essa explicação como sendo a maior causa do problema, pois o o número de KOs em relação as Submissões aumentou um pouco ao longo do tempo, mas ainda 1 em cada 3 finalizações é devido a submissões.

ko_sub

Outra explicação pode ser dada com a introdução de categorias de peso mais baixas, principalmente depois da compra do WEC (World Extreme Cagefighting) a qual era a casa dos lutadores menores. O gráfico abaixo mostra o percentual de lutas finalizadas por classe de peso.

weight

Tem um tempo que comento com meus colegas que pouca coisa é mais legal que luta de pesos pesados no UFC, imagine duas pessoas que possuem mais músculos e gordura do que é humanamente aceitável, os quais possuem força para nocautear seus oponentes com apenas 1 soco e são incapazes de se esquivar tão bem quanto as categorias mais leves. Toda luta é uma surpresa, nenhum campeão dos pesos pesados conseguiu manter seu cinturão por muito tempo, é a roleta russa do UFC, por isso uma de minhas lutas preferidas foi a do Minotauro vs Bob Sapp em 2002. Ok, o Bob Sapp nem era um oponente tão respeitado assim, mas vale lembrar que sem o espetáculo não teríamos uma empresa tão grande quanto o UFC é hoje.

Acredito que consegui quantificar parte da minha insatisfação com o UFC atualmente, não é o excesso de eventos, mas sim o excesso de lutas em que nada acontece, com lutadores pequenos que ficam pulando por 25 minutos na tela incapazes de realizar qualquer movimento remotamente ameaçador. O UFC tem feito um bom trabalho em manter o evento interessante e os lutadores chatos são removidos dos eventos principais através da seleção natural, mas dificilmente retornaremos para os números do passado, não enquanto os lutadores estiverem lutando para não perder ao invés de lutando para ganhar.

Por fim, existe uma probabilidade de 29% de uma luta acabar no primeiro round com um KO ou Submissão, se isso não aconteceu, essa probabilidade cai para 23% de acontecer no segundo round, porém se a luta não terminou ainda, a probabilidade de uma finalização no terceiro round cai para 15,5% nos próximos rounds (caso a luta vá até 5), ou seja, se nada aconteceu no primeiro round, pode até ser que ocorra no segundo, caso nada ocorra, pode ser um bom motivo para desligar a televisão e ir dormir mais cedo, visitar o banheiro, buscar uma cerveja, abrir o facebook etc, pois é bem provável que nada aconteça mesmo…

Advertisements

2 thoughts on “Never leave it in the hands of the judges

  1. bacana. seria legal calcular o coef. correlação (pearson) entre chance KO e tempo (# evento) – excluindo o formato antigo. talvez tbm fosse interessante comparar lutar de card principal/preliminar ou lutas titulo/nao titulo. (GSP vai levar a % KO’s nesse caso la embaixo kkkk)

    Like

  2. po galera, gostei bastante do blog de vocês. Você tratam dados do cotidiano de maneira mais “real” e prático e usando as ferramentas pra aplicar ao invés de partir das ferramentas. Gostei da abordagem. Pela formação dos dois, a vida deve ser bem corrida com trabalho, família e outras prioridades mas sempre que tiverem um insight bacana pra expressar através dos dados, apareçam aqui. Mais cedo ou mais tarde algum novato ou entusiasta aparece e pode ter os próprios insights e manter as coisas em movimento. Darei uma folheada com calma pra absorver os conceitos que vocês aplicam.

    Abraços!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s